13.3.09

Em cores


Vejo a vida com olhos de criança pequena, que se espanta com cada coisa que vê, como se nunca as tivesse visto.  Antes e logo me lembro que sou adulto e não poderia e nem deveria me surpreender.
Mas como não me surpreender com a flor que nasce na pedra, com o grito da criança que chama pela mãe, com o girassol, com as palavras soltas da minha melhor amiga, com o sorriso largo do meu melhor amigo, com o palavrão espontâneo, num lugar impróprio, com o rosto vermelho da criança que fez traquinagens.

Eu poderia passar horas escrevendo sobre o que me causa espanto e surpresa. Eu sempre que as vejo e mesmo que as veja várias vezes, elas sempre me surpreendem, eu as vejo como se fosse a primeira vez. A vida é realmente algo de divino.

A vida me aparece em cores que se renovam constantemente. E quando chega o final do meu dia eu vejo como se nunca fosse acabar e me dá saudades dele antes mesmo que ele, o dia se acabe, eu me sinto então renovado dia a dia, afinal o dia é sempre novo.

Talvez seja isso o andar em novidade de vida. Ver a vida pelos olhos de Deus.

Então, Viva!

Nenhum comentário:

Postar um comentário